Como funcionam os Marketplaces para Restaurantes?

marketplaces para restaurantes
8 minutos para ler

Não é nenhuma novidade que os marketplaces, os apps e superapps viraram febre mundo a fora e aqui no Brasil. Diante desta forte tendência os marketplaces para restaurantes também começaram a ganhar mais espaço na preferência e nos bolsos dos consumidores.

Mas e para quem empreende no ramo da alimentação e tem um ou mais negócios como um bar ou restaurante? Será que realmente vale a pena entrar no mundo do delivery e vender por outros canais?

Nossos especialistas esclarecem agora os principais pontos e dúvidas quanto a este assunto que tem se tornado cada vez mais popular. Confira!

O que são os Marketplaces para Restaurantes?

Os marketplaces podem ser entendidos como grandes vitrines virtuais que concentram produtos e/ou serviços, reunindo em um único lugar diversas soluções ou marcas.

Portanto, no caso dos marketplaces para restaurantes essas plataformas ou aplicativos são mais focados no nicho do setor.

Esse modelo de negócios costuma variar em função de:

Formato

Os sites com diversas funcionalidades ou as chamadas plataformas digitais dão aos clientes mais autonomia, onde podem escolher, colocar no carrinho de compra e pagar pela internet. E tudo isso, dentro de um ambiente mais dinâmico e seguro.

Os formatos mais comuns são:

  • Plataforma mobile (aplicativos): exigem que o usuário faça o download nos dispositivos móveis conectados à internet, podendo ser um smartphone, tablet ou wearables;
  • Plataforma web: lojas virtuais que são acessadas quando os usuários digitam o endereço na barra de endereços do navegador da internet, pelo computador ou celular. Também podem ser páginas específicas de produtos que aparecem no resultado das buscas por determinada marca, tipo de prato ou produto, por exemplo;
  • Híbridos: podem ser acessados das duas formas.

Mercados atendidos

Os marketplaces para restaurantes podem atender diferentes mercados como:

  • B2B: quando empresas vendem para empresas. É muito comum plataformas que concentrem fornecedores e distribuidores que fornecem para toda ou uma parte da cadeia que pode ir da produção, até as embalagens para entrega;
  • B2B2C: concentrada no fornecimento de soluções para empresas, mas quem utilizará é o consumidor final;
  • B2C: quando as empresas vendem direto para os consumidores finais. Os serviços de pedido de comida ou delivery se encaixam nesta categoria.

Modelo de monetização

Normalmente, os marketplaces ganham dinheiro vendendo espaço nessa vitrine. A cobrança dos clientes (geralmente fornecedores) pode ser baseada em:

Assinatura (recorrência)

Referente a cobrança de um valor fixo pelo serviço e suporte. Pode ser entendida também como a mensalidade que é paga com frequência, a depender do plano ou tempo de contratação.

Pontos de atenção:

  • É preciso ficar bem atento neste caso, para o modelo contratual e de fidelização. Alguns contratos podem incluir ainda cláusulas de divulgação com exclusividades e pode comprometer as demais ações do seu restaurante.

Cobrança sobre as vendas

O comissionamento sobre as transações fechadas dentro das plataformas é um dos modelos mais usuais atualmente. Assim, quanto maior número de vendas, maior é a comissão paga. Esses valores podem variar de 10 a 15% e incluir ainda outras taxas operacionais.

Pontos de atenção:

  • Antes de contratar esse serviço, avalie se o seu restaurante conseguirá absorver esse custo. Um planejamento financeiro inicial pode ajudar nesta decisão.

Taxa de entrega

A taxa de entrega ou frete pode ser mais uma forma destas empresas ganharem dinheiro. O cálculo geralmente feito a partir da distância e englobado no valor total da compra do cliente pode ser integralmente retirado.

Pontos de atenção:

  • Aqui a recomendação é fazer um comparativo do(s) custo(s) para descobrir até que ponto essa conveniência compensa financeiramente.

Principais vantagens e desafios dos Marketplaces de Restaurantes

Como todo canal de distribuição, os marketplaces também apresentam vantagens e alguns desafios. Saber quais são esses pontos, torna a escolha mais consciente e ajuda a minimizar possíveis riscos da operação.

Vantagens

Entre as principais vantagens estão:

Maior alcance da audiência

Uma das vantagens dos marketplaces para restaurantes é, sem dúvida nenhuma, atuar como um canal de vendas/distribuição mais abragente, capaz, portanto, de atingir mais pessoas.

Assim, um restaurante pode fazer o seu marketing pagando bem menos do que se tivesse um orçamento específico. Basta pensar que uma das contrapartidas das plataformas é aumentar a visibilidade do seu restaurante.

Soluções simples e aplicáveis rapidamente

Criar o perfil do restaurante nessas plataformas costuma ser bem prático, rápido e simples. Como todos os campos são padronizados, mesmo quem não tem qualquer experiência pode criar o seu cardápio digital, em poucos minutos.

Assim, o ingresso ao meio digital é cada vez mais facilitado e não demanda conhecimento técnico.

Ampliação do poder de barganha

Nas centrais de fornecedores é possível negociar preços mais competivos e ter outros benefícios em compras para seu restaurante. Com maior oferta, o poder de barganha dos compradores também pode aumentar. Isso quer dizer então que você pode comprar mais barato ou estrategicamente tendo alguma condição diferenciada, na maioria das vezes.

Lembre-se: a escolha dos seus fornecedores é essencial e pode influenciar diretamente na qualidade de tudo o que você vende.

Conveniência nos serviços de entrega

A maioria das plataformas aqui no Brasil oferece também serviços de entrega (prestadores de serviços). Os motoboys e a logística são de responsabilidade dos marktplaces e tiram essa gestão e preocupação das mãos dos restaurantes.

A desvalorização destes profissionais que recebem por entrega e não tem vínculo empregatício acaba sendo um ponto de discussão a parte.

Desafios

Como desafios gerais e para donos de restaurantes podem ser listados:

Equilibrar demanda e oferta

Nos marketplaces para restaurantes existem no mínimo dois lados: os vendedores e os compradores. E, é sempre muito difícil equilibrar essa equação, ou seja, gerar resultado para as duas pontas.

Na prática isso pode significar gerar vendas qualificadas, manter os resultados sem sacrificar a margem de ganhos e ter benefícios suficientes para atrair mais clientes para a plataforma.

Ninguém que anunciar em um espaço onde a concorrência é muito grande. Da mesma forma, os clientes não querem ficar horas e horas pesquisando para encontrar o melhor restaurante, prato ou ainda ter problemas relacionados a funcionalidades, pagamentos, dentre outros.

Diante disso, não se esqueça de que você deverá avaliar até que ponto as plataformas disponíveis conseguem atender as suas necessidades e dos seus clientes, afinal, sem clientes sem vendas.

Limitação em relação à customização

Apesar da facilidade da criação dos perfis, geralmente, os modelos não permitem muitos ajustes. A personalização para identificação do restaurante, fica restrita ao nome e logotipo somente. Como são “produtos de prateleira” o resultado final pode ficar bem próximo ao de outros atuantes no mercado.

Outro ponto que costuma ser uma desvantagem é que marca poderá ser associada a outras nas buscas. Se alguém der um “Google” pesquisando por restaurantes árabes em São Paulo pode tanto cair na sua página, quanto na de um concorrente.

Alto comissionamento

Quando você faz um bolo, o ideal é que consiga ficar com o maior número de fatias para ter ganhos. Mas não é bem isso que acontece quando se utiliza um dos marketplaces para restaurantes. Tanto as “fatias” quanto “o rendimento do bolo” podem ter que ser divididos em mais partes.

Uma das maiores queixas deste modelo é que pode não ser sustentável no longo prazo. Se o maior objetivo de um restaurante é vender para mais pessoas e ter mais clientes, as cobranças feitas sobre o volume vendido podem encarecer essa conta.

Passar essa diferença para os clientes nem sempre faz sentido porque pode tornar o seu produto mais caro frente ao da concorrência. É preciso pensar que essa relação precisa ser ganha-ganha.

Terceirização do atendimento

Ao optar pelos agregadores de restaurantes, na maioria do casos o que ocorre também é a terceirização do atendimento. O relacionamento com o cliente que é tão importante passa a ficar mais frio e restrito somente as mensagens de confirmações nas plataformas.

Ao ocorrer qualquer problema com a compra ou pedido os clientes tendem a ficar perdidos, sem saber exatamente a quem recorrer. Como o marketplace atua como um intermediário pode não dar tanta atenção àquele seu cliente especial ou responder em tempo de solucionar a situação.

Investir ou não investir? Eis a questão…

Antes de expandir os canais de distribuição é preciso pesquisar e avaliar todas as alternativas. Nem sempre o que é bom para um restaurante pode ser aplicado ao outro. Tudo irá depender da estratégia que você definir.

Na dúvida, faça um teste investindo menos e meça os resultados. Acompanhe de perto o que pensam seus clientes, sobre o que acharam da experiência, os pontos positivos e negativos.

Ao buscar por um marketplaces para restaurantes ou até mesmo ao tomar a decisão por criar uma plataforma ou aplicativos próprios, é preciso lembrar que nenhum produto se vende sozinho.

Seu restaurante, sua marca, seus pratos e atendimento precisam ser bons o suficiente para conseguir atrair e fidelizar clientes, sem entrar na briga por preço ou cupons de descontos.

goomergo cardapio digital whatsapp
Você também pode gostar