Como transformar seu garçom em um vendedor

7 minutos para ler

O garçom estabeleceu-se como uma peça-chave para fazer boas vendas em seu restaurante. Servir bem o cliente é apenas mais uma de suas funções, que é figura importantíssima para a rentabilidade do estabelecimento — e, para sua eficiência, ele deve agregar o talento pessoal a um bom treinamento.

Com a crise batendo às portas do Brasil, investir em novos profissionais pode não ser a melhor saída. Então, por que não melhorar a equipe para promover um salto no faturamento do restaurante? Confira, no post de hoje, a importância do garçom e como transformá-lo em um bom vendedor!

Qual a importância do garçom?

Pense bem — quando o cliente chega ao restaurante para conhecer um novo prato, trata-se de um processo de venda em que o cliente não vê ou, pelo menos, não experimenta o produto antes de comprar.

Aqui, como qualquer bom vendedor, o garçom precisa ser comunicativo e saber instigar o cliente — além, é claro, de ter noções de etiqueta, como arrumar adequadamente a mesa, colocar os pratos, copos e talheres na posição correta, saber o momento certo de servir as bebidas, etc.

Mais do que isso, também já está comprovado que a aprovação ou não do seu restaurante pelo cliente está diretamente relacionada ao atendimento — que é oferecido por quem? Pelo garçom! Um cliente que se sinta bem atendido estará muito mais disposto a ficar mais tempo no estabelecimento — consequentemente, gastando mais e, ainda, se sentindo muito mais estimulado a retornar outras vezes e a recomendar seu restaurante a seus familiares e amigos.

Quais são as qualidades necessárias a um garçom vendedor?

Um bom garçom deve possuir certo talento pessoal alinhado a um bom treinamento, que deve ser oferecido pelo próprio restaurante. Mas, quais as qualidades que precisam ser trabalhadas para oferecer um atendimento de excelentíssima qualidade e, assim, transformar seu garçom em um garçom vendedor? Conheça-as a seguir!

Boa comunicação e simpatia

É fundamental que o garçom saiba se expressar bem e, além disso, que ele seja sempre simpático, carismático e atencioso. Durante as reuniões e treinamentos com a equipe de garçons, ressalte sempre a importância disso — o cliente tende a se sentir muito mais à vontade em um ambiente em que os profissionais agem de forma receptiva e simpática.

A boa comunicação inclui transmitir adequadamente as informações do pedido para a cozinha, um garçom não pode jamais esquecer um pedido, trocar seus itens e deixar de passar as solicitações especiais — como alterações do prato.

Bom português

Para qualquer profissional que trabalhe com o público — ou seja, inclusive para garçons e vendedores — falar corretamente o português é essencial. Em muitos ambientes, erros e gírias não são perdoados, podendo ainda causar uma péssima impressão sobre o funcionário e, consequentemente, sobre o restaurante.

Demonstração de boa vontade

Não há nada mais desconfortável do que ser atendido com má vontade. Ainda mais em um estabelecimento como um restaurante que, além do prato, oferece entretenimento.

Não raramente o garçom está atarefado, com vários pedidos pendentes, gente chegando e, eventualmente, com problemas pessoais lhe ocupando. Nada disso pode transparecer para o cliente.

Mais do que ter boa vontade, o garçom precisa demonstrar que a tem. O treinamento deve ajudá-lo a perceber que o cliente é mais importante que a operação, ou seja, toda a preocupação que ele precisa ter com os procedimentos de anotar o pedido, servir a mesa e as bebidas, é apenas um meio de servir o consumidor, nunca a principal tarefa de sua função.

Conhecimentos de culinária

Como dito anteriormente, o restaurante está vendendo um produto que o cliente não prova antes de comprar. Por isso, é fundamental que o garçom possua um bom conhecimento de culinária, para poder explicar aos clientes o diferencial dos pratos, os ingredientes utilizados, a tipicidade do prato, entre outras características.

O garçom vendedor precisa conhecer todos os pratos servidos pelo restaurante, assim como as bebidas e as guarnições do cardápio.

Conhecimento de outros idiomas

Atualmente, o inglês é um idioma extremamente requisitado. Dependendo da localidade do seu restaurante, se clientes estrangeiros costumam aparecer — nem que seja apenas de vez em quando —, ter uma equipe que saiba falar bem outros idiomas, pelo menos o inglês, é fundamental, principalmente em restaurantes de hotéis e em restaurantes sofisticados.

Cuidado com a própria imagem

Manter uma imagem apresentável é essencial aos vendedores, bem como deve ser aos garçons. Manter o cabelo bem cortado e a barba feita, por exemplo, conta pontos com o cliente.

E apesar de o uniforme tradicional de camisa branca com gravata borboleta já não ser mais tão requisitado, manter um uniforme padronizado para a equipe é algo positivo para o restaurante.

Postura de vendedor

O que significa uma postura de vendedor para um garçom? Será que é apenas vender o cardápio? Será que é isso que o garçom vende?

As opções culinárias e a qualidade dos pratos são um grande atrativo para o cliente, mas ele está comprando mais do que isso, que é um momento agradável, de prazer, confraternização ou romance — detalhes que variam de acordo com a proposta de cada estabelecimento e cliente.

O que o garçom precisa vender e ao mesmo tempo entregar é todo esse conjunto de valores agregados que vão proporcionar uma boa experiência para o cliente. E como ele faz isso?

Um pouco com cada um dos pontos que tratamos aqui. Ele começa a vender o serviço do restaurante quando recepciona com um sorriso, demonstra uma personalidade agradável e entrega as solicitações exatamente como o cliente espera receber.

Obviamente isso inclui usar de sua boa comunicação para, por exemplo, descrever o cardápio como um vendedor, aumentando o desejo do cliente em provar algo diferente, oferecendo opções adicionais, como aquele vinho especial ou uma guarnição diferenciada.

Como em todo processo de venda, ele precisa saber observar o cliente para identificar seu perfil — atender um casal exige uma postura diferente do que um grupo de amigos, por exemplo — e saber levantar as necessidades dos frequentadores. Assim, pode sugerir alternativas adequadas para cada caso, o que constitui um grande passo para atuar como vendedor e conseguir um bom pedido.

Como oferecer o treinamento aos garçons?

O próprio restaurante pode oferecer treinamentos, contratando um profissional especializado para capacitar a equipe e mostrar a importância do serviço de alto padrão. Ou, então, o treinamento pode ser externo, em algum lugar que ofereça um curso ou especialização na área.

Uma boa capacitação deve partir da definição prévia de um atendimento padrão, que nada mais é do que o detalhamento de cada etapa do atendimento. Nesse roteiro, cada passo do atendimento — desde a recepção na entrada, passando pela retirada do pedido, serviço dos pratos e terminando com a entrega da conta — deve estar relacionado em um fluxo que descreva como proceder em cada etapa.

O ideal é que esse processo seja exercitado e aprimorado constantemente, até chegar ao padrão ideal.

Para finalizar, vale registrar que a importância do garçom não está apenas no que ele representa para o atendimento, mas assume um caráter ainda mais significativo quando o profissional está capacitado e qualificado de forma a aumentar o seu valor. Investir na sua equipe de garçons é agregar valor para o seu negócio.

E então, que tal transformar seu garçom em um garçom vendedor? Separamos um presente especial para te ajudar na parte mais importante deste processo: o treinamento. Baixe nosso ebook sobre capacitação de garçons agora mesmo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário